Como Escolher uma Franquia

Oportunidades de Negócios

Data Inclusão: 30/04/2010
Autor: Programa PEGN
Como escolher uma franquia

O setor de franquias cresce a passos largos. São 1.460 redes no país, que somam mais de 80 mil unidades. Em 2009, essas empresas faturaram R$ 63 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF).

A procura para ingressar no setor é grande. Só o site da ABF recebe a visita de mais de 90 mil pessoas por mês interessadas em abrir uma franquia.

Só que a compra de uma unidade não é simples e há erros recorrentes. A consultora jurídica Melitha Novoa Prado, especializada em franquias e redes varejistas, alerta para os principais erros na hora de comprar uma franquia.

1 - Comprar uma franquia que você gosta para outra pessoa administrá-la

É bem comum esposas, maridos e filhos ganharem ¿de presente¿ uma franquia. Quem presenteia tem as melhores intenções, mas nem sempre avalia o perfil do presenteado e, em muitos casos, nem sequer observa se aquela pessoa terá condições de tocar um negócio próprio. "O resultado, em alguns casos, é desastroso", alerta Melitha.

Para evitar problemas e perda de dinheiro, Melitha aconselha redobrar a atenção às necessidades do presenteado.

"Ter conversas esclarecedoras, não forçar o outro a aceitar o trabalho e pedir ajuda a um profissional para traçar o perfil de quem vai tocar a franquia podem ser medidas eficientes", afirma.

2 - Ter pressa ao analisar a Circular de Oferta de Franquia (COF)

O candidato a franqueado possui 20 dias para analisar a Circular de Oferta de Franquia (COF), que é entregue pelo franqueador.

Trata-se de um documento importante, que contém a lista dos franqueados e ex-franqueados da rede, modo como a franqueadora opera seu negócio e minuta do contrato.

Esse documento mostra, na maioria das vezes, quais são as atribuições do franqueador e do franqueado. Por isso, é importante ler com atenção e até submeter a Circular a um advogado, para que ele aponte pontos obscuros, caso eles existam.

3 - Não conversar com franqueados atuais e que já saíram da rede
A COF traz uma lista de ex-franqueados da rede. Procure alguns deles para saber quais foram os pontos negativos da franqueadora que fizeram com que a operação não fosse adiante.

Isso é tão imprescindível quanto consultar os franqueados atuais, que poderão esclarecer dúvidas em relação ao cotidiano do negócio.

4 - Não avaliar os números fornecidos pela franqueadora
Saiba avaliar os números da empresa, pois eles dizem muito sobre ela. Observe, por exemplo, se o faturamento médio de cada unidade é compatível com o investimento inicial previsto e procure se informar sobre a situação financeira da franqueadora.

Você também pode levantar processos cíveis, de franqueados e fornecedores contra a franqueadora. Questione a cobrança de taxas, como royalties e publicidade, e informe-se como elas são aplicadas.

5 - Firmar acordos verbais
Legalmente, só vale o que consta em contrato. Então, não adianta apelar para a Justiça se os acordos foram apenas verbais e não estão assinados pelas duas partes. Fique atento e exija no contrato tudo o que foi combinado no processo de seleção.

6 - Tentar mudar padrões da rede sem consultar a franqueadora

É comum algumas pessoas aceitarem as normas da franqueadora no começo pensando que poderão implementar mudanças por conta própria depois, como variar ¿um pouquinho¿ o mix de produtos e chamar um parente que é arquiteto para mudar o layout da loja.

"Quem pensa assim está começando errado e, certamente, terá muitos problemas", afirma Melitha. Essas atitudes podem gerar quebra de contrato e perda da bandeira.

"Por isso, se você não concorda com as regras e elas servem para toda a rede, talvez a franquia não seja uma opção adequada para você."

*Os textos aqui apresentados são extraídos das fontes citadas em cada matéria, cabendo às fontes apresentadas o crédito pelas mesmas.

Fonte: Programa PEGN

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites